O consumo nos lares brasileiros acumula alta de 2,84% de janeiro a setembro de 2022. Esse levantamento foi feito pela Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS). Comparando o mesmo período de 2021, os números ficaram em 11,19%. A base de dados deflacionada veio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a entidade, esses números em alta estão relacionados com a antecipação de recursos do 13ª salário, créditos para aposentados e pensionistas e a liberação para saque extraordinário do  Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Até o momento o comércio começa a correr contra o tempo para turbinar o aumento de vendas esperados para esse final de ano.

A expectativa da Abras é que datas importantes do calendário do comércio incentivem ainda mais o consumo, como a primeira edição do Dia dos Supermercados, marcado para 12 de novembro, a Copa do Mundo, a Black Friday e as festas de fim de ano.

Lares brasileiros acumula alta em mês de negociação

Durante todo o mês de novembro vão ocorrer ações coordenadas pelo Banco Central (BC) denominadas mutirão nacional de negociação. É mais uma chance de limpar o nome e renegociar dívidas e ter orientação financeira.

Participando em conjunto com o BC, também estarão presentes a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) e os Procons de todo o país. O mutirão oferece oportunidade de renegociação de dívidas com desconto e parcelamentos que caibam no bolso do consumidor brasileiro para ter acesso a dinheiro e crédito na praça.

Neste ano, o mutirão alertará os cidadãos sobre o superendividamento e a possibilidade de pedir renegociação, conforme previsto na Lei 14.181/21 . Pela lei, os cidadãos superendividados têm direito a renegociar o valor global do débito, simultaneamente com todos os credores.